Epilepsia + Mudança de Medicação + Baixa = Depressão!

sexta-feira, dezembro 01, 2017
       Já há algum tempo que não vos actualizava sobre o meu estado de saúde. Não tenho escrito porque quero desmistificar a doença e ajudar a que se perceba que esta é uma doença como outra qualquer, com que se vive de forma simples. Mas a verdade é que esta mudança de medicação não tem sido fácil e isso leva-me a que não esteja em boa altura para discursos motivadores ou positivistas... Por isso tenho preferido manter-me ausente. Aliás, tenho preferido resguardar-me até da Telma, para ser sincero, que é a pessoa que mais confio. Hoje conto-vos tudo, porque também isto é um processo que afecta muita gente e acho que posso conseguir ajudar outras pessoas... ou até que alguém me ajude a mim!
 
       Da última vez que fui ao médico neurologista pedi-lhe para voltar a trabalhar. Estou completamente farto de estar em casa. Isto de brincar a dizer que são umas férias, é muito giro. Dizem-me muito isso a procurar animar-me. Há quem diga até "quem me dera a mim, estar agora em casa". Muito engraçados. De facto só dizem isso porque não são eles a estar sujeitos às vontades de outros para sair, não são eles que não sabem como vão acordar no dia seguinte, não são eles que não podem fazer nada que os possa desestabilizar, quando até não fazendo nada desestabiliza. Sim, porque a doença pode ser simples, quando controlada. No meu caso, a nova medicação ainda não conseguiu esse efeito. Uns dias acordo muito bem, noutros não posso falar, não posso sair de casa... Isto porque pode acabar com mais um ataque epiléptico. O último foi naquele dia das mil e uma trovoadas. Estava a dormir e a acordar... Claro que isso ia despoletar um ataque. Ainda que simples e rápido, desmotiva logo. Não é mesmo nada fácil. Expliquei tudo isto ao médico e ele concordou que se calhar seria melhor voltar à rotina, para sair deste lado em que se pensa sempre no mesmo. Mas isto foi antes de me darem espasmos que pareciam não querer ter fim! Quando contei à médica de família, ela disse que não me podia tirar a baixa sem a recomendação escrita do médico, que depois do que viu, não ma deu. A verdade é que eu não estou estável. A verdade é que deveria recomeçar ao trabalho no dia seguinte, mas nesse mesmo dia me deu outro ataque epiléptico.
        Só me apetecia fugir e refugiar-me num canto onde ninguém me visse. Tentar mexer-me o mínimo possível para não despoletar mais nada. O meu pensamento era "se eu não fizer nada do que me desestabiliza, então vou poder voltar à minha rotina". Pensamentos parvos de quem se aproxima de uma depressão por estar há meses de baixa, percebo agora. Percebo-o porque tenho uma família que me apoia incondicionalmente. Porque cá em casa a cadela me obriga a sair todos os dias, várias vezes e me distrai. Porque tenho uma Telma que me dá o espaço que preciso, mas que também o sabe retirar quando necessário. Os dois estamos a aprender a lidar com isto. Tudo parece ser uma novidade. Com ela, não perco a esperança. Afinal, comecei a escrever estes textos porque ela me fez ver que é só uma doença, como muitas outras, com as suas condicionantes. Não posso voltar atrás e agora estou mais esperançoso outra vez. Vou consultar outras opiniões e vou onde tiver que ir até encontrar outra vez a minha estabilidade, a minha paz. No final, isto será só epilepsia! 

P.S. - Obrigado. Um gigante obrigado por todos os e-mails e mensagens que me fazem chegar a querer saber de mim, a dar-me força, a querer partilhar a história. Muito obrigado!! Nem sabem o que significam para mim... Fez toda a diferença!


4 comentários

  1. Partilhar ajuda muito! Com certeza que encontrarás alguém na mesma situação mas que está mais controlado e te possa ajudar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Toda a ajuda neste tempo difícil ajuda. Mesmo quem nem sonha que ajuda...

      Eliminar
  2. «E agora estou mais esperançoso», tão bom! Fico mesmo contente por ler isso, até porque ter essa esperança ajuda bastante.
    Partilhar a nossa história acaba sempre por ajudar, não só quem nos lê, mas a nós próprios, pelo facto de desabafarmos e de conseguirmos ver as situações com outra pespetiva. Fico deste lado a torcer para que essa paz chegue muito rápido.

    r: Vale bem a pena :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há-de chegar em pleno rápido. Torcemos por isso. Este ano de 2018 há-de ser muito melhor!! Obrigado pelo apoio!

      Eliminar

Obrigado pelo comentário! Vamos responder-te no mais breve espaço de tempo que nos for possível. Até sempre! :)