"Faz lá uma festinha ao cãozinho" diz a avozinha...

terça-feira, janeiro 23, 2018




         "Faz lá uma festinha ao cãozinho" dizem as avós e mães que vão passando por nós, enquanto passeamos a nossa peste canina. Não nos perguntam se podem. Assumem que sim. "Ela é tão pequenina e tão bonita". E não perguntam nada. Lançam os netos, os filhos e vão também de mão lançada para uma festa. Se a cadela mordesse, a culpa era nossa, porque não a educámos, mas a questão é: se ela está de trela, porque é que assumem que podem e partem logo para o exercício das suas vontades? É que nós não vamos na rua e decidimos fazer uma festa a uma qualquer criança ainda no colo familiar e fazemos. Há a questão do respeito, do sermos civilizados... A questão de que o ar é de todos, mas o espaço individual é de cada um... Essa questão devia passar-se também para os animais.        A nossa cadela não é o mais amigável na rua. Assusta-se com as pessoas e não é tão amigável quanto em casa. Levamo-la sem trela no caso de não vermos muita gente na rua. Assumimos que são pessoas controláveis que não se levantam do sítio onde estão para irem atrás da cadela. Quando vimos crianças, prendemo-la ou levamo-la para o lado oposto. É que elas vêm logo e vão incentivadas pelos familiares. Como se os cães tivessem que levar com toda a gente que não conhecem e aceitassem logo só porque sim. Não é assim tão difícil de perceber que se os animais fogem, é porque não querem festas, certo? Percebam os sinais óbvios sff.
        É que se estivermos a falar de um pastor alemão adulto, de um São-Bernardo ou um buldogue-alemão ninguém se atreve a ter esta atitude... Porque é que com uma amostra de cão como a nossa a posição é diferente?! São cães na mesma... É ridículo!
        Imaginem que, mesmo estando de trela, as amostras de cães como a nossa se lembrariam de morder uma criança que lá fosse tentar fazer a festa. Viam-na como um perigo e podiam fazer queixa dela, com a consequência de a abater. Mas quem teve a culpa? O dono que não antecedeu a dizer à criança e à família que não se podia antecipar... mas também a família/ criança que achou por bem meter lá a mão sem questionar se podia, sem ver o perigo. Isto achamos grotesco. Vá, usando as nossas palavras mais correctas: É só estúpido!!
        Por isso fazemos esta publicação: Primeiro perguntem se podem fazer a festa e respeitem se as pessoas não gostarem que andem por aí a fazer festas a torto e a direito. Sabemos que a nossa pestinha não morde ninguém, mas vocês, senão a conhecem, não têm como saber. Até porque ela foge e ladra, tudo indica que vá morder... Usem a lógica. Ela tem medo dos desconhecidos. Fica muito assustada e procura fugir. Não é suposto não ter. Caso contrário já havia sido roubada por qualquer pessoa. É suposto ela não magoar ninguém e ser feliz. É o que ela faz todos os dias. Mas por favor não façam festas a cães só porque acham que podem. Perguntem. Não custa nada respeitar a liberdade do próximo! E sim, lutamos todos os dias para que a nossa cadela também tenha o seu espaço no mundo. Sejam civilizados que ela também respeita o vosso espaço. Obrigado!

Qual a vossa opinião?

14 comentários

  1. Alô :)
    Por acaso é algo que me faz muita confusão. Fui educada a não me aproximar dos cães que não conheço porque podem ser mais ou menos amigáveis.
    Não entendo esta “leviandade” com que muitos familiares incentivar as crianças...
    Depois se por acaso o cão (que é inconsciente) morder, é super perigoso...
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente! É que nós também fomos habituados a respeitar os outros seres e isso parece ser cada vez menos relevante. É algo que nos incomoda. É que a ignorância e irresponsabilidade humana, de quem se diz superior e ser racional, vai acabar por matar um ser que se viu em perigo e se quis defender... É injusto!

      Eliminar
  2. Nunca fiz isso com cães, só com gatos e mesmo assim é bem raro mesmo! Não gosto de fazer festinhas a cães desconhecidos por esses mesmos motivos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma coisa é veres um cão abandonado e procurares fazer com que ele te conheça. Procurares que ele se interesse por ti. Outra completamente diferente é teres um dono e o ignorares por completo só porque só a tua vontade importa. Isso é que achamos mal...

      Eliminar
  3. Confesso que é algo que me faz confusão. Nunca fiz isso por uma questão de educação e, claro, por ter medo de cães! Portanto, compreendo a vossa opinião!

    amarcadamarta.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É que não faz sentido nenhum. Os animais também têm as suas vontades, os seus medos... É uma situação muito injusta e ingrata!
      Se um dia quiseres conhecer a Chiclet, ela mostra-te que podes não ter medo de cães... Mesmo que te assuste a início. Sim, que mesmo sendo uma amostra de cão ela ladra xD

      Eliminar
  4. Sofro do mesmo com o meu cão mais novo. Tenho quatro labradores e os 3 mais velhos são meigos. Foram os quatro educados da mesma forma, no mesmo local, com as mesmas condições mas o mais novo é o mais meigo em casa (connosco) mas com outras pessoas não é. Rosna e fica mesmo em posição de ataque (é um sofrimento para nós ver este género de reação dele) mas por ser um cão "fofinho" as pessoas esticam logo a mão para poder fazer uma festa. Já aprendemos que tem de andar de açaime, e também andamos sempre em alerta para indicar antes de esticarem a mão que não o devem fazer.
    Tal como indicaram se o cão ataca a culpa é dos donos, e no fundo se aquela pessoa não fosse tão "atrevida" isso não aconteceria.
    Não são os cães que precisam de educação, são as pessoas!!!
    https://jusajublog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente! Atingiste o ponto que nós queríamos passar. É injusto que os cães sofram por irresponsabilidade e desleixo das pessoas...

      Eliminar
  5. Nunca causei esses problemas porque eu morria de medo de cães, ahah!
    Mas mesmo agora pergunto sempre :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Convém, porque tens que saber com o que podes contar. E o animal também...

      Eliminar
  6. Acontece-me exatamente o mesmo com o meu cão. Como é pequenino e tendem sempre a achá-lo fofinho lançam-se em direção a ele para lhe fazer festas e não o deixam em paz. E o problema é que ele não é muito de se dar a pessoas desconhecidas, não é que morda ou faça algo de mal, simplesmente tenta fugir. Por isso concordo plenamente convosco no que diz respeito ao facto de as pessoas deverem ter em conta que têm de respeitar o espaço dos outros, não é por ser um animal que lhes dá todo e qualquer direito de ir logo lá.
    Gostei muito do post! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pela tua simpatia. Nós achamos que este é um assunto que deve ser abordado com toda a pertinência. Porque acreditamos que às vezes esta situação não passe de falta de informação, talvez...

      Eliminar
  7. Eu tenho um bouledogue francês e apesar de ele ser super amigável (só quer é brincadeira) nós avisamos sempre as pessoas que ele pode mordiscar os dedos porque está habituado a fazer isso com o dono. Apesar de ele ser super sociável - é mesmo da raça - eu evito passar junto a outras pessoas ou a outros cães. Das pessoas porque a maioria dá sempre um salto para trás com receio não sei bem do quê (visto que ele vai junto a mim e sempre de trela) e dos cães porque a grande maioria não entende a brincadeira destes cães (são brutos) e já não é a primeira vez que ele quase é mordido. Tenho a sorte de as pessoas que querem interagir com ele nos perguntarem sempre primeiro se podem e não "atacam" logo como se conhecessem o cachorro. São poucas as pessoas que invandem o espaço pessoal dele e essas têm sorte porque ele adora a atenção. A única vez que nos chateámos a sério ele ainda era pequeno, com quatro meses. Fomos passear e houve uma senhora que lhe achou tanta piada que se baixou ao nível dele e lhe ia pegar ao colo. O David parou-a logo e disse "não pegue que ele não gosta". A senhora ainda teve a ousadia de ficar ofendida e dizer "não gosta, têem que o ensinar a gostar", como se o propósito dos cães fosse para andar a tiracolo. De resto nunca tivemos grandes chatices. Mas a verdade é que muitas vezes são os adultos que encorajam os mais pequenos a irem ter com os cães sem se darem ao trabalho de perguntar aos donos se é seguro. Depois quem paga são sempre os animais, mesmo sem culpa nenhuma. Há que fazer uma campanha de sensibilização. Tal como as pessoas os animais também não gostam de ter o espaço pessoal invadido e é óbvio que em muitos dos casos se irão defender. A maioria das pessoas esquece-se disso...

    ResponderEliminar
  8. Por incrível que pareça no meu ninguém mete a mão e ele é lindo, só que é raçado de doberman e pastor alemão e então tenho essa sorte. E ele até é bastante brincalhão, mas a primeira impressão é de desconfiança e então ninguém tenta. Mas é um abuso, partirem do pressuposto que podem, que o cão quer (cadela neste caso), que os donos querem, que vocês tem tempo para isso.
    As crianças não são educadas a lidarem com os animais e a darem-lhes espaço e isso é um erro.

    No entanto parte de nós, donos dos animais colocar-mos um STOP quando bem nos apetece, porque o animal é nosso e ele precisa de espaço.

    Post novo sobre : The Body Shop ! - www.sarcatsilva.blogspot.com

    Beijinhos, desta seguidora :p

    ResponderEliminar

Obrigado pelo comentário! Vamos responder-te no mais breve espaço de tempo que nos for possível. Até sempre! :)